quarta-feira, 22 de março de 2017

Governador MG, Pimentel, pela 2a vez marca, mas não recebe Comissão das Ocupações da Izidora.

Governador MG, Pimentel, pela 2a vez marca, mas não recebe Comissão das Ocupações da Izidora.


Leonardo Péricles, da Coordenação Nacional do MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas), e o Pastor Alberto, da coordenação da Ocupação-comunidade Vitória, com 4.500 famílias, na região da Izidora, em Belo Horizonte e Santa Luzia, MG, na foto, abaixo. O governador Pimentel não aceitou que esses dois - Leonardo Péricles e pastor Alberto - participassem da reunião de uma Comissão das Ocupações da Izidora + CPT + MLB + Brigadas Populares com o governador de Minas, Fernando Pimentel, ontem, dia 21/03/2017. Grande injustiça. Sem Leonardo Péricles e sem o pastor Alberto, com uma comissão muito restrita não podíamos entrar para a reunião. A reunião estava marcada pelo Pimentel para as 17h00 de ontem. Por volta das 19h00, o deputado Rogério Correia e as vereadoras Cida e Áurea - que intercediam pela Izidora - nos informaram que o Pimentel intransigente tinha cancelado a reunião. Perguntei a um secretário do Governo que apareceu na entrada dos fundos do Palácio da Liberdade (?): "Por que o Leonardo Péricles e o pastor Alberto não podem participar da reunião agendada com o governador Pimentel?" Ele me respondeu que os nomes deles não estavam na lista porque o pastor Alberto é contra a Direcional construir prédios de 8 a 9 andares em área ocupada pela Ocupação Vitória, tendo para isso que demolir cerca de 700 ou 800 casas já construídas. Pastor Alberto está sendo porta voz do povo do Vitória que não aceita a destruição das casas para construir prédios. O povo da ocupação-comunidade Vitória e das ocupações-comunidades Esperança e Rosa Leão exigem Direcional fora do território das 3 comunidades da Izidora. O secretário me disse que Leonardo Péricles não podia participar da reunião com o Governador Pimentel por causa de um protesto legítimo que ele fez na Assembleia Legislativa, dia 19/06/2015, após a Polícia Militar de MG reprimir de forma bárbara cerca de 3.000 pessoas das Ocupações-comunidades da Izidora na Linha Verde (MG-010) que marchavam pacificamente rumo à Cidade Administrativa, lutando contra a iminência de despejo e exigindo moradia digna, própria e adequada. Além de quase ter matado Alice, uma criança de 8 meses da Ocupação Vitória e ter semeado pânico e terror sobre o povo, a PM de MG, naquela oportunidade, feriu fisicamente com tiros e bombas mais de 90 pessoas e prendeu mais de 40 pessoas. Uai! Põe o dedo na consciência, meu irmão! Portanto, repudiamos com veemência essa tentativa de ignorar e desrespeitar o Leonardo Péricles do MLB, que é um grande lutador, extremamente ético, super-responsável, um militante querido, respeitado e admirado pelo povo injustiçado e pelas forças vivas da sociedade.
Eleito com o slogan "ouvir para governar", Pimentel em 2,3 anos de mandato não recebeu nenhuma liderança das Ocupações Urbanas de MG. Injusta e lamentável essa postura intransigente. O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, está demonstrando sensibilidade e assumiu compromisso de regularizar e urbanizar 100% das ocupações da Izidora e não aceitar empreendimento do Minha Casa Minha Vida em território ocupado pelas comunidades da Izidora que já são três bairros irmãos em franco processo de consolidação. Continuaremos pedindo que o governador Pimentel receba uma Comissão das Ocupações da Izidora com os movimentos que as acompanham. Abraço na luta. Frei Gilvander Luís Moreira, pela coordenação da CPT/MG.

terça-feira, 21 de março de 2017

Reunião com Pimentel e Manifestação: convite.

Reunião com Pimentel e Manifestação: convite.

O Governador Pimentel receberá uma Comissão das Ocupações da Izidora + Brigadas Populares + CPT + MLB + Coletivo Margarida Alves e assessoria técnica hoje, 3f., dia 21/03/2017, às 17h00, no Palácio da Liberdade, na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, MG.
Atenção Povo das ocupações-comunidades Izidora (Rosa Leão, Esperança e Vitória) e Rede de Apoio, combinamos ontem que faremos uma Manifestação diante do Palácio da Liberdade, na Praça da Liberdade, a partir das 16h45, enquanto uma Comissão de lideranças estiver em reunião com o Governador Pimentel. A proposta é sair de ônibus das 3 comunidades da Izidora às 14h30 para chegar à Praça da Liberdade antes das 16h00. Quem estiver trabalhando que vá se juntar à Manifestação na porta do Palácio da Liberdade, na Praça da Liberdade. E vá também de ônibus coletivo, de moto, a pé, etc. Quanto mais gente na luta coletiva melhor! É a primeira vez que o Governador receberá lideranças dos movimentos populares urbanos. Esperamos que o Pimentel assuma o compromisso de regularizar fundiariamente e contribuir na urbanização das 3 comunidades da Izidora (Rosa Leão, Esperança e Vitória) colocando rede de água, saneamento e energia, sem derrubar nenhuma das casas construídas com muito sacrifício e suor nesses 4 anos de luta do povo trabalhador da Izidora.
Quanto maior a nossa luta, maior será a nossa Vitoria. 
Só a luta muda a vida.

Chamada das Coordenações das ocupações-comunidades da Izidora + CPT + MLB + Brigadas Populares + Coletivo Margarida Alves.
BH, 21/03/2017.

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Nota de esclarecimento sobre a Proposta de Negociação com as Ocupações-comunidades da Izidora apresentada pelo Estado de Minas Gerais, Prefeitura de Belo Horizonte e Direcional Engenharia.

Nota de esclarecimento sobre a Proposta de Negociação com as Ocupações-comunidades da Izidora apresentada pelo Estado de Minas Gerais, Prefeitura de Belo Horizonte e Direcional Engenharia.

 Belo Horizonte e Santa Luzia, MG, 26 de fevereiro de 2017


Foi apresentada Proposta de acordo do Governo de MG + Prefeitura de BH + Construtora Direcional conforme veiculado por reportagem do Jornal Estado de Minas hoje, dia 24/02/2017. Destacamos que a proposta e a notícia têm vários problemas, além de ter sido feita a revelia das ocupações da Izidora, parece querer induzir a opinião pública a pensar que a proposta do Governo de Minas + PBH/Kalil + Construtora Direcional é muito boa para as famílias. Porém é necessária uma análise cuidadosa. Reportagens da imprensa precisam ser lidas de forma crítica, pois revelam algo, mas sempre escondem outras coisas. Esperamos que a Negociação seja justa, ética e idônea. Por isso a verdade sempre deve brilhar.
Primeiro, o nome correto é Izidora e não Isidoro, conforme utilizado na Operação Urbana Irregular planejada para a área. Izidora era uma mulher negra quilombola que lavava roupa no ribeirão que levou o seu nome: Ribeirão da Izidora. Isso consta nos documentos e mapas da região até o ano de 1934. A história deve ser respeitada e essa “confusão” não nos parece trivial. 
Segundo, o Mapa apresentado, depois de muita insistência dos movimentos e coordenações, NÃO DEMONSTRA EXATAMENTE A ÁREA ONDE A DIRECIONAL INSISTE EM FAZER PARTE DO PROJETO MINHA CASA MINHA VIDA. Para isso precisamos dos mapas da construtora Direcional que integram o projeto para aferirmos se o mapa do Governo corresponde aos mapas do projeto da Direcional, pois o Projeto original da Direcional, constante no Contrato assinado em 27/12/2013, seis meses após as 8 mil famílias terem ocupado os terrenos que estavam abandonados na Izidora, projeto apresentado pelo engenheiro Francisco, da Direcional, visa construir 10.932 apartamentos, em duas fases. Na 1ª fase, no território da Ocupação Vitória, construir 8.896 (oito mil oitocentos e noventa e seis) pequenos apartamentos, de 43,70 m² (quarenta e três metros quadrados) cada, em 80% dos prédios com 9 andares, todos com paredes premoldadas de concreto  e sem elevadores.
Terceiro, o governo de Minas promete pagar R$500,00 de aluguel social por família por até 2 anos quando se espera que ficarão prontos os apartamentos para reassentamento das famílias que estiverem dentro dos critérios. Quais critérios? Dizem que o cadastro irá determinar quem poderá receber o aluguel social. Essa deve ser uma construção participativa na mesa e é uma questão que causa extrema insegurança às famílias ameaçadas.
Quarto, não se fala na Proposta do Governo de Minas + Kalil + Direcional de REASSENTAMENTO PRÉVIO EM CASAS DE QUALIDADE IGUAL, OU MELHOR, CONFORME DETERMINA A LEGISLAÇÃO INTERNACIONAL PARA CONFLITOS FUNDIÁRIOS.  E não se fala também em indenização pelos gastos que centenas de famílias tiveram para construir suas casas, pleito colocado pelas famílias e apresentado ao Estado. Inclusive, não sabemos exatamente quantas famílias serão removidas de suas casas. Sequer a realidade social delas, pois o cadastro ainda não foi feito.
Quinto, lado bom da reportagem é que o secretário Helvécio Magalhães, secretário de Estado de Planejamento e Gestão (SEPLAG) do Governo de Minas garantiu: “O certo é que ninguém será despejado à força. Estamos dialogando com as lideranças. A preocupação do governo é que, mesmo tendo ordem de despejo, não vamos fazer à força”. Necessário garantir que se for para sair de suas casas que seja para reassentamento prévio em casas com qualidade igual ou superior. 
Sexto, grave problema ainda é que, na proposta apresentada, o Estado busca responsabilizar os movimentos sociais para garantir a desocupação da área determinada e o controle do número de pessoas na ocupação, o que é absolutamente inviável e inadequado. O Estado por muito tempo se esquivou de lidar com a política habitacional e não pode empurrar seus encargos para os movimentos sociais. Pior, nessa proposta busca responsabilizar exclusivamente os movimentos, coordenações e assessoria técnica popular pela aceitação ou recusa da proposta. Já deixamos muito claro que quem decide sobre as vidas dessas famílias são elas próprias e o Estado tem o dever de ouvi-las e respeitá-las. É necessário tempo para compreender todas as implicações da Proposta, ouvir - e dialogar com - o povo das Ocupações junto às assembleias e reuniões de setor, certos de que quem decidirá se a proposta será aceita ou não é o povo, lastreado pelo cadastro que deverá ser realizado.
Sétimo, ainda não demonstraram através de documentos se o Governo Federal, através da Caixa Econômica, tem e se liberará dinheiro para a Direcional fazer os 4.789 apartamentos. Inclusive nem os recursos para o custeamento de eventual aluguel social são garantidos. Situação recorrente é a do Estado não arcar com os alugueis sociais comprometidos e deixar as famílias desamparadas, situação que é previsível diante do cenário de fragilidade financeira do Estado. 
As coordenações das ocupações, os movimentos sociais e a assessoria técnica popular reiteram aqui que o processo de decisão cabe somente às famílias que vivem na Izidora e que nossa atuação é estritamente no sentido de garantir-lhes todos os seus direitos fundamentais. Acreditamos em um processo de diálogo para uma solução justa para esse grande conflito que transformou a forma de construir a política habitacional no Brasil. Contamos com a colaboração de toda a Rede de Apoio do Resiste Izidora para, juntas, vencermos mais essa batalha.

Assinam essa nota pública,
Coordenações das Ocupações-comunidades Rosa Leão, Esperança e Vitória
Comissão Pastoral da Terra (CPT)
Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB)
Brigadas Populares (BPs)
Coletivo Margarida Alves de Assessoria Popular

Belo Horizonte, MG, 26 de fevereiro de 2017